Quando o conhecimento popular sobre ciências for à escola

Por   Núbia Maré

“Situação nociva e perversa seria esta de uma sociedade em que pessoas relativamente desprovidas das benesses da natureza fossem, quanto à capacidade intelectual, geralmente superiores aos que, socialmente, estão acima delas.” Lord Wrottesley (Inglaterra)

 

Alguma vez  você que cozinha  já salgou de mais o ensopado? Faço esta pergunta porque se alguma vez na vida salgamos o ensopado colocamos batatas nele.  Por que a batata? Porque além dela ser saborosa e muito apreciada, ela também ajuda a reter o sal. Não é verdade?

Para pensarmos um pouco mais nesta  nossa experiência levantarei a seguinte questão:  como a batata retém o sal e deixa a nossa comida menos salgada do que estava antes?  Não sei responder a esta pergunta, mas peço uma reflexão: com quem você aprendeu  isto? Com certeza a resposta vai ser: com a minha mãe ou algo familiar. Mas a sua mãe aprendeu isto aonde e com quem? Na escola? Com certeza não foi na escola.

Como isto acontece? Como este composto iônico, que é o sal, pode ter uma parte de si retida em outro elemento com vários componentes químicos? Não sabemos, mas será que a escola sabe isto, já que ela passa aos seus alunos parte do conhecimento  científico produzido (pelos cientistas, acadêmicos)  e nem sempre experimentado (pelos alunos)  sobre ciências?

Não sabemos responder muitas destas perguntas, porque infelizmente a escola, nova ou velha, não nos deu instrumentos e nem motivações para que aguçássemos a nossa curiosidade  sobre o que está a nossa volta e sobre nós mesmos. Não nos ensinaram a solucionar problemas e nem  a criá-los para podermos resolvê-los.

A  sociedade, em que vivemos, não tem muito  interesse na melhoria da ensino escolar na sua totalidade, a escola persiste com a sua tradição cruel e desigual para com aqueles que tem muita coisa a nos ensinar e ninguém para ouvir  e experimentar o seu conhecimento. Esta nossa situação, hoje, é fruta  já amadurecida da escola ocidental.

Quando  o conhecimento popular sobre ciências for à escola, todos serão alunos e todos serão professores, pois todos nós tempos algo a passar para os outros  e para apre(e)nder dos outros também. Os muros da escola serão rompidos e não existirá mais barreiras, e assim poderemos, realmente,  fazer o uso devido dos direitos que a instituição escolar  nos oferece em todas as suas instâncias.

“Viver sem  história é aceitar, na maré da evolução humana, o papel anônimo de plâncton ou de protozoário. É ser uma ruína, ou trazer consigo as raízes de outros. É renunciar a possibilidade de ser raiz para outros que vêm depois.”  (Joseph Ki-Zerbo)

*Ciência: 1. Conjunto metódico de conhecimentos obtidos mediante a observação e a experiência. 2. Saber e habilidade  que se adquire para o bom desempenho de certas atividades. 3. Informação, conhecimento, notícia. 4. Ciências biológicas. As que estudam os seres vivos. Ciências exatas. Aquelas (como a física, a química, a astronomia) que descrevem e analisam segundo uma lógica a natureza, a relação do homem com o ambiente que vive e o universo. Ciências naturais. Aquelas (como a biologia, a botânica, a zoologia, a mineralogia, etc.) que têm como objeto o estudo da natureza. Existem outras ciências, como as Ciências humanas, etc.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: